domingo, 30 de dezembro de 2018

Sol a fechar/abrir o Ano!

Obrigada, D., pela bela foto.
Bom domingo e boa praia!


sábado, 29 de dezembro de 2018

Belíssimas fotografias para embelezar o (final de) Ano

 Neste endereço, que vi no Expresso Curto de ontem, encontram-se muito mais trabalhos - vencedores do prémio Travel Photographer of the Year

https://designyoutrust.com/2018/12/amazing-photos-that-won-the-2018-travel-photographer-of-the-year-awards/?utm_content=O%20Muro&utm_medium=newsletter&utm_campaign=42b0c1aed6&utm_source=expresso-expressomatinal

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Net, Ano Novo, próspero, obrigada...

Hoje procurei na net imagens sobre o Ano Novo e encontrei muito fogo de artifício, champagne a libertar-se da garrafa, copos em brinde - tudo bom e bonito para ver e saborear na noite em que um ano se acaba e outro começa. 
Uma boa altura para falarmos de desejos, de sonhos, de vontades que queremos tornar presentes, ainda que tudo esteja fechado na caixa misteriosa do futuro.
E encontrei também muitas mensagens, mais ou menos banais, que todos repetimos por estes dias. E vi uma palavra que, acho eu, foi caindo em desuso: próspero.
É difícil a pronúncia. Talvez por isso, muitos soldados que, nas antigas colónias, apareciam em triste fila para deixar a sua mensagem de Natal ou de Ano Novo na RTP, então canal único, trocavam prosperidade por propriedade. Tão jovens eram e muitos deles nunca teriam prosperidade nem propriedades.
Felizmente essa realidade mudou e, apesar de todos os perigos atuais, não trocaria por nada a realidade de agora porque existe liberdade. Embora devesse haver maior responsabilidade, sobretudo de pessoas que mexem na vida dos cidadãos.
E como o tempo é de proximidade do Ano Novo, desejo que seja para todos, queridos amigos leitores, um Bom Ano Novo. E, já agora, que seja próspero em saúde, paz, alegria, amor, amizade...
E que haja reconhecimento de tanto trabalho e de tanto talento que, se fosse mais amado e conhecido, tornaria mais Feliz o Ano Novo.
Obrigada por visitarem esta pequena casinha, a que, desde 2011, dei nome Mariana, e não imaginam como a vossa presença a torna feliz. 
Possa eu/ela dar um pequenino contributo para um FELIZ ANO NOVO de tantas pessoas que, mesmo sem as conhecer, sei que têm rosto, sentimentos e são infinitamente bem-vindas!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Um pouco mais de luz!

Os dias de Natal foram de sol. Bom. Sossegado. Mais forte do que as nuvens, mas sem qualquer prepotência. Foi muitíssimo bem-vindo. Chegou e ficou no tempo certo. 
As adolescentes da família tiveram cores fantásticas de pôr do sol para o atento instagram. Os olhos dos mais pequeninos eram luzinhas a sorrir enquanto desembrulhavam os presentes.
Hoje, porém, regressou a chuva. Natural também. Como as magnólias que ontem vi em botão, ainda que muito fechadinho. À espera do momento certo para desabrochar. Quando se abrem, parecem luzes macias. 
Também as camélias iluminam agora os ramos da árvore que as alimenta. É pena as flores caírem tanto, dizia uma amiga minha.
Embora fugazes, existem e renovam-se. Esta é uma das múltiplas maravilhas da natureza em qualquer época, incluindo a do Natal.
Hoje logo de manhã, quando passei junto da pequena árvore que fiz em casa, senti necessidade de ver as luzinhas a piscar. Acendi-as. 
O café com bolo-rei aproximou-me ainda mais das luzinhas de Natal.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

A Missa do Galo

Há muitos anos que digo que gostava de ir à Missa do Galo, mas, também há muitos anos, não vou à Missa do Galo.
Na verdade, nem tenho ideia da última Missa do Galo a que assisti. Talvez fosse muito nova ainda. A família não era tão grande e o volume de prendas também era bem menor. 
Há um bom par de anos, optámos pelo "amigo secreto", que é uma boa ideia porque se poupa tempo, dinheiro e em desperdício.
Mesmo assim, fica pouco tempo para ir à Missa do Galo. Ou melhor dizendo, a vontade é que, àquela hora tardia, já está dormente.
O tempo vai, assim, clarificando as ideias e poupando algumas palavras.
Se gostava de ir à Missa do Galo e não vou, é porque não gostava tanto assim de ir à Missa do Galo. Por isso, tento usar melhor as palavras.
E este propósito talvez seja um bom substituto da Missa do Galo.

Até o Natal tem fases!

Gosto da fase de quando está tudo organizado e resta tempo livre para se saborear o tempo de Natal.
Com as prendas já distribuídas ou prontinhas para serem entregues. E não tem de se penetrar na multidão para se arranjar um presente de última hora.
Este ano, não dei muito lucro às lojas e preferi objetos realizados por pessoas que criam e fabricam pequenos objetos, muitas vezes reutilizando-os e dando-lhes nova e bonita vida.
Mesmo assim, também tive muitos momentos de frenesim. Talvez por isso, já pensei seguir o exemplo de uma senhora velhinha que conheci e que, logo a seguir ao Natal, começava a tecer os presentes para a próxima época natalícia. Não os vou tecer, com certeza, mas, mais calmamente, tentarei juntá-los para não viver o stresse das compras de última hora.
Quero, isso sim, continuar a partilhar presentes porque são momentos de mostrarmos aos outros que mimam as nossas vidas.
E dessa fase também gosto.

sábado, 22 de dezembro de 2018

A união faz a Música. Boas Festas!


Obrigada, Zá, por teres partilhado este vídeo no Bem-Vindos ao Paraíso.
Boas Festas!

Boas Festas!

Cheguei com o presente. Ofereci-lho e disse:
- Boas Festas.
Ela, com ar preocupado, e eu, felizmente, bastante menos:
- Obrigada. Peço-lhe desculpa, mas ainda não tive tempo de comprar nada.
- Não é para me dar nada.
- Mas eu quero.
- Eu sei como são os seus dias sempre ocupados.
- Eu sei que sabe.
- Também sei que o mais importante é a ajuda durante o ano e não apenas os mimos destes dias.

E voltámos a desejar Boas Festas.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Impossível não lembrar a infância


Quando eu era pequena, devido à grande religiosidade da minha mãe e, talvez, aos costumes da época, não fazíamos árvore de Natal em casa. Porém, nunca faltava o presépio que fazíamos sempre com musgo que íamos buscar ao "monte". O monte mais não era do que uma mata num terreno mais alto do que a nossa aldeia. Levávamos uma cestinha e, com as pequenas mãos, arrancávamos plaquinhas de musgo que grassava nas zonas mais frias e cobertas de árvores.
Fazer o presépio era uma tarefa do frio dezembro com as figurinhas que, de ano para ano, a minha mãe guardava numa caixa de sapatos; com a cabaninha onde colocávamos a estrelinha dourada de cartão; com os caminhos de saibro que alinhávamos sobre o musgo. Depois de concluído, começava o Natal.
O tempo não era largo em gastos nem em desperdícios. Depois da ceia de Natal, era a hora de pôr o sapatinho na chaminé para que o Menino Jesus lá deixasse o seu presentinho.
Era tanta a inocência que, uma vez, pareceu-me ver o Menino Jesus a depositar as prendinhas. E tinha caracóis, afirmava eu.
Devo ter sonhado porque o Natal também é sonho. Talvez por isso, agora, que simplifico o presépio e faço uma pequena árvore de Natal, é-me impossível não lembrar a infância.

Natal: o direito à escolha


Ontem à noite, ouvi uma atriz a dizer que não faz árvore de Natal. Nem enfeita a casa de forma especial. E a lamentar não poder ir  a lado nenhum à vontade porque é sempre uma multidão em frenesim.
Hoje, ouvi um cantor a louvar esta época pelo tempo mais relaxado em família, à volta dos prazeres da mesa e do alegre convívio.
Para mim, ambos têm razão.
Bom seria que todas as pessoas pudessem escolher.


quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

"Um Deus à nossa medida"

 
Lurdes Castro

 

Um Deus à nossa medida…
A fé sempre apetecida
De ver nascer um menino
Divino e habitual.
A transcendência à lareira
A receber da fogueira
Calor sobrenatural.


Miguel Torga, 1953

Uma história (numa coletânea) de Natal


A Árvore de Josué
"Todo aquele que possui a memória do amor
é com certeza um contador de histórias".
Agustina Bessa-Luís, O Manto

Desde muito pequeno que Josué gostava de desenhar. Em casa, não faltavam tintas, lápis de cor, desenhos presos com post it pelas paredes. Uns de cores garridas que se matizavam; outros, já com traços mais definidos, mostravam o gosto continuado e a evolução dos gestos. A todos, o menino atribuía significados: eram os pais, os irmãos, os avós, os primos, o rio, as árvores...
Na família, havia o gosto pelas artes, sobretudo pela pintura e também pelo colecionismo. Para além das ajudas familiares, desde muito cedo que as crianças participavam em oficinas nos museus da região, vendo surgir bonitos objetos das suas pequenas mãos e que eram motivo de orgulho para os pais e avós. Mantinha-se a tradição e cultivava-se a beleza. O amor pela natureza também se semeava porque muitos objetos eram produzidos a partir de folhas caídas das árvores, de pequenos galhos secos, de raminhos de plantas aromáticas...
O avô de Josué não era dotado para o desenho, mas entusiasta dos talentos familiares. Colecionar postais ilustrados antigos era o seu hobby. Dizia ser uma maneira de partilhar a arte que não sabia produzir.  Muitas noites e muitos fins de semana eram passados a organizar os postais que ocupavam várias prateleiras na sala. Enquanto os agrupava e os incluía no sítio certo, ia contando histórias vividas nos países e locais visitados para adquirir os seus postais, muitas vezes em feiras de antiguidades ou lojas da especialidade.
Nas suas histórias, em que revelava bom humor e otimismo, surgiam, por exemplo, neves da Suíça que, uma vez, no início de uma manhã luminosa mas fria, engoliram a chave do carro, enquanto o seu olhar e o da avó se distraíam, presos às belas e brancas paisagens das montanhas. Com cumplicidade amorosa,  decidiram não mexer os pés e procurar a chave, convictos de que a encontrariam se fossem persistentes e pacientes. E assim aconteceu. De repente, a ponta de um objeto metálico pareceu brilhar. 

         (...)

Embora o avô não fosse muito dado a abraços ou a beijos, o seu olhar era um espaço calmo de carinho e confiança que a todos envolvia e estimulava. Parecia olhar mais para o que cada um tinha de bom e assim a árvore familiar ia criando raízes mais sustentadas.
Uns tempos antes do Natal, o rapazinho começou a pensar no presente para o avô e logo lhe surgiu a ideia de um postal ilustrado antigo para a sua coleção. Apesar de ajudar o avô assiduamente, apenas conhecia uma parte do espólio. Era difícil, portanto, escolher um postal que lhe pudesse agradar e não fosse repetido. Para além disso, seria muito caro, com certeza, ou difícil de encontrar.

(...) 

Estes são excertos de um conto de Natal que escrevi e que foi publicado, este ano, na coletânea cuja capa também partilho.
Não conheço o Josué nem o avô, mas, confesso, gostava de os conhecer.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Em Londres, uma árvore com estrelinha


Em Trafalgar Square, em frente à National Gallery, ergue-se uma árvore de Natal, vinda da Noruega, como acontece anualmente, desde 1947, como agradecimento ao povo de Londres pela ajuda durante a Segunda Guerra Mundial.
A árvore não é muito grande, mas é enorme a sua simbologia.

Com tantas e boas práticas que há no mundo, por que persiste a violência, a corrupção, a mentira, a falta de compaixão...

Há bancos e bancos, assim como memórias

No belo parque de Waterlow, nos arredores de Londres, muitos
dos seus bancos têm inscrições que marcam boas memórias 
de bons momentos lá partilhados com alguém.
Neste, por exemplo, há o desejo de que a pessoa, que o utilizava,
 continue a apreciar a vista,
que se estende calma e larga.



sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

O Natal também é reutilização e criatividade



Obrigada e parabéns, Cândida, pelo trabalho que fazes com tanto carinho. Feliz Natal!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Feliz Natal e outras coisas, se calhar, esquisitas

Na rua, nas lojas, no local de trabalho, no hospital, seja onde for, nesta época, ouve-se com frequência: Bom Natal! Feliz Natal!
Acho que as tradições são importantes porque são sempre marcos de alguma redenção, apaziguamento, sorridente atenção aos outros...
Mas dizer tantas vezes Bom Natal, Se não te vir até lá, Bom Natal, Bom Natal para todos! passou a ser, na minha opinião, como Beijinhos, Beijinhos para todos, Dá beijinhos à família, Beijinhos beijinhos...
São meras formas de despedida que, de facto, valem mil vezes mais do que o esquecimento ou a indiferença, mas repetimos tantas vezes a mesma expressão, utilizamos tanto as palavras que estão mais à mão, isto é, na ponta da língua porque são as mais usadas.
Também a ideia de que "O Natal é quando o homem quiser" pode dar para muita coisa: para viver o espírito de Natal em qualquer altura do ano e não apenas nos dias 24 e 25 de dezembro, o que é ótimo; mas também pode levar à fuga constante da solidariedade porque dá trabalho e é mais exigente.
Enfim, depois de ter baralhado alguns dados, acho que se o desejo de Bom Natal se refere apenas a um dia ou dois no ano, nem valia a pena tanta ênfase, mas não me ocorre agora como substituir esses votos.
E tal acontece porque sou um comum ser humano que também repete na rua, nas lojas... seja onde for: Bom Natal! Feliz Natal!



segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Ela, o velório, o mar e tanta outra coisa

Ela veio ao velório de uma amiga comum, mesmo com custo. Tinha de vir. Por amizade antiga, duradoira e profunda. 
- Estás melhor do que da última vez que te vi. Que bom.
- Engordei um bocadinho. Detestava doces e agora só me apetece comer doces.
- E sempre o teu sorriso maravilhoso.
- Não adianta andar chateada nem andar a queixar-me a toda a hora. Quero é chatear as metástases.
- Só tu.
- Estava com tanta vontade de vir que  me esqueci dos medicamentos e devem ter a mania que são importantes porque já me estão a fazer falta.
- Levamos-te a casa quando quiseres.
- Agora estou dependente das boleias, e logo eu que era um ás do volante.
E logo uma gargalhada.
Fomos a conversar sobre as nossas vidas.
Chegámos.
- Podes parar aqui. Vou este bocadinho a pé senão tens de dar uma grande volta.
- É bonito aqui e podes ver o mar.
- Sim, tenho tudo o que é necessário: a farmácia, o mini-mercado e, sim, o mar.
- E felizmente tão perto.
- Vou vê-lo sempre que posso.
Depois de troca de palavras carinhosas, saiu do carro e percorreu o passeio devagar apoiada a uma bengala, apesar da sua ainda meia idade.
Ainda há tantas coisas boas na vida. Não me posso queixar.
Isto pensaria ela por certo. E se lesse este pequeno texto, daria outra gargalhada ao ver que o seu nome até rimava com ela.

sábado, 8 de dezembro de 2018

Palavras com Natal dentro


Flores secas com romã

Tenho uma amiga que aproveita tudo que pode ser reutilizável. Em cima da mesa, tem sempre tecidos cortados, frascos com botões, fios variados...
O que eu não contava era ver flores feitas a partir de folhas que o outono atira ao chão.
Ela contou-me, com o habitual sorriso, que as viu numa rua. Estavam na cor e no ponto certo: inteiras e secas. Pensou logo numa nova função para elas.
Encheu um saco e, com elas, as suas mãos geraram flores.
E dizia-me feliz: repara como mantiveram o perfume da árvore!
Em casa, pu-las num pequeno recipiente e juntei uma romã. 
Talvez goste também do perfumado aconchego.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Amsterdão: Ao encontro de Van Gogh e não só!


Van Gogh, Gauguin, Laval: vida curta, vasta obra!



A exposição, no museu Van Gogh, era vasta. A vida dos três pintores e amigos tinha sido curta, mas haviam pintado intensamente e deixado uma Obra à Humanidade.

Charles Laval era o menos conhecido.

Uma multidão juntava-se em frente aos Girassóis de Van Gogh. De vez em quando, ouvia-se uma voz tonitruante, vinda de um homenzarrão de fato preto: No piiiictuuuures!!!

No piso da entrada, uma belíssima exposição: um grande espaço de girassóis de vidro que mudavam de cor consoante a iluminação ténue da sala. Uma obra de arte gerada por outra obra de arte. Esta, imortal.