domingo, 22 de setembro de 2019

Gosto do outono!

Canção de Outono
Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.
De que serviu tecer flores
pelas areias do chão
se havia gente dormindo
sobre o próprio coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando aqueles
que não se levantarão...

Tu és folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
E vou por este caminho,
certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...
Cecília Meireles

OUTONO
Tarde pintada
Por não sei que pintor.
Nunca vi tanta cor
Tão colorida!
Se é de morte ou de vida,
Não é comigo.
Eu, simplesmente, digo
Que há tanta fantasia
Neste dia,
Que o mundo me parece
Vestido por ciganas adivinhas,
E que gosto de o ver, e me apetece
Ter folhas, como as vinhas.
Miguel Torga  

Conversa ao pé da porta

- Vejo que anda muito ocupada.
- Sim, aproveito os tempos livres para fazer arrumações.
- Curioso, também ando numa fase semelhante.
- Não entendi.
- Quero despojar-me das coisas que me afastam a mim.


sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Cultura Curto Espaço - na praia da Aguda

As tábuas parecem ter sido recolhidas na praia
A janela na parede dá as informações como o Clube de leitura de verão
Espreitando o interior do CCE em dia de encerramento
A arte de reutilizar destroços de plástico
Já tinha ouvido falar deste espaço - Cultura Curto Espaço.
Fica em frente ao mar da Aguda, é café, restaurante, lugar de convívio...
Periodicamente realizam-se lá Clubes de Leitura à volta de um livro.
 Em breve, quero também participar.
E sobretudo entrar no CCE e ficar lá um bocadinho.
Dizem que há almofadas e mantas quentes para quando está frio.


terça-feira, 17 de setembro de 2019

'Quero ser o teu amigo'


Andei na net à procura de textos para 
uma atividade de 'Leituras no hospital'.
Gostei deste poema de Fernando Pessoa por ser simples
e abordar um tema que pode ser significativo para todos.
Oxalá assim aconteça e a net esteja a ser fidedigna. 
Vai longe o tempo em que se tinha tempo de procurar nos livros!!!

Quero ser o teu amigo.
Nem de mais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida.
Da maneira mais discreta que eu souber. 
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças.
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias… 

Fernando Pessoa

domingo, 1 de setembro de 2019

Meu querido mês de setembro,


Este ano pude confirmar que não gosto do mês de agosto. Não, não gosto.
E não quero ser negativa, mas o mês de agosto traz(-me) sempre coisas horríveis.
Como não gosto de generalizar pelo lado mau, vou tentar explicar um pouco melhor.
Desculpa, setembro, por não ir ao fundo da questão, mas às vezes prefiro sentar-me à beira de um regato sem o atravessar para não escorregar nas pedras.
Sou medrosa? Serei, com certeza, mas cada um procura as suas defesas.
De facto, agosto ficou ontem parado no calendário, mas alguns dias ficarão marcados na minha memória.
Foi um mês de contrastes:
Ouvi o silêncio e tapei os ouvidos pelo excesso de ruído.
Senti o mar, aproximei-me da montanha e o pensamento fragmentava-se.
Fiz desenhos coloridos e pouco depois os dias ficaram negros. 
Contei histórias e senti a ausência de palavras de quem precisava de as dizer mas já não podia.
Tive a alegria de ver a casa cheia de brincados sorrisos infantis e quase logo a despedida de quem tinha gerado a família.
Caminhei ao sol luminoso na praia e senti o frio branco de uma cadeira de hospital.
Dancei, vi dançar e partilhei de lágrimas em saudosa e não anunciada despedida.
Viajei vendo paisagens verdes ou ressequidas e deparei com coroas de flores também cortadas à continuação da vida.
...
Desculpa, mês de agosto, pelo meu desamor. E, se calhar, ingratidão ou egoísmo, porque estou a esquecer que para muitas muitas pessoas o verão só teve o segundo lado da moeda.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

'Bons dias, Pai'.

 

Se Eu Agora Inventasse o Mundo

Se eu agora inventasse o mundo
criaria a luz da manhã já explicada
sem o luto que pesa
na sombra dos homens
- conspiração da noite
com as pedras.

Luz que o cheiro das ervas da madrugada
aproxima os mortos do silêncio
com esqueletos de asas
- conluio com o sol
para estarem mais presentes
no tacto da pele da manhã,
mil mãos a afogarem a paisagem,
bafo de flores donde cai
o enlace das sementes...

Abro a janela
O mundo cheira tão bem a trevos ausentes!

Bons dias, mortos. Bons dias, Pai.

José Gomes Ferreira (1900/1985)

domingo, 28 de julho de 2019

Fi-lo e não gosto que mo façam!

Há bastante tempo, fui à ESG falar sobre o meu diário A Velha Casa e outros dias.
Havia alunos adultos que cada vez valorizo mais porque, muitas vezes, não tiveram oportunidade de estudar na devida altura e têm força e ânimo para o fazerem mais tarde.
No diálogo a propósito de assuntos abordados no livro, alguns alunos intervieram e falaram das suas próprias experiências. Um deles, no final, imprimiu uns poemas que me ofereceu para eu ler e lhe dar a minha opinião. As três folhas ficaram ao lado do computador ao longo do tempo.
Hoje, finalmente, vou mandar-lhe um mail, pedir-lhe desculpa pelo atraso e dizer-lhe que gostei dos poemas, tentando explicar as razões.
Sim, vou fazê-lo - por gosto pessoal, em primeiro lugar, e depois porque não gosto nada de fazer aos outros o que não gosto que me façam a mim.
Oxalá não se tenha esquecido. Com certeza que não.

Uma experiência de que estou a gostar

Faço parte de um grupo que, rotativamente, vai a um hospital ler pequenos textos e conversar um pouco com os doentes que se disponibilizam a estar presentes.
Na primeira sessão, levámos este poema de Miguel Torga:


Sei de um ninho
Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo.

Mas escusam de me atentar:
Nem o tiro, nem o ensino.
Quero ser um bom menino
E guardar
Este segredo comigo.
E ter depois um amigo
Que faça o pino
A voar...
      Miguel Torga

No diálogo que se seguiu, houve recordações da infância, marotices de garotos, 
mudanças na educação das crianças, cuidados para proteção do ambiente...
E uma senhora cantou cantigas da sua memória.
Quando nos despedimos, estávamos todos um pouco mais próximos dos ninhos que são as vidas comuns.
               

       

Leituras no Hospital


Felicidade
Pássaros nos beirais
aquarelam o azul  
em melodias cor-de-sol
redondas e cristalinas...
E na transparência
da sinfonia
vejo a infância perdida:

manhãs de agosto
sentada à porta da cozinha
aberta ao horizonte
a minha avó aconchega-me
no colo
perfumado de pão fresco
fecho os olhos
e deixo-me embalar
no canto morno
que nasce nos ninhos
que escorre dos beirais
aconchegados de pássaros...

Maria Clara Miguel
(Pseudónimo de Isaura Afonseca) 


Este foi um dos textos que lemos na segunda sessão das nossas Leituras no Hospital para pessoas, quase todas idosas, em cuidados continuados.
E houve quem quisesse ler o poema em voz alta e expressiva. E quem falasse de uma avó a quem chamou sempre avozinha. E quem perguntasse se podia dar o poema à neta porque de certeza que ia gostar. E quem se recordasse do pão fresco da sua infância. E quem comunicasse que sempre gostou de ver pássaros nos beirais, apesar de sujarem o chão. E quem contasse que a praia no verão é como um colo quente de avó e que tinha visto o mar no domingo passado e tinha adorado...
E também quem dissesse que sentia cansaço, que aquele dia não era dos melhores dias, que ouvia muito mal, que só queria reler o poema mais tarde porque tinha ouvido algumas palavras e tinha-as achado bonitas...
Quando nos despedimos até setembro, dissemos todos palavras meigas, com vontade de um feliz reencontro.

Um problema crescente



Enviado pelo Clube das Histórias
(O título é meu)

terça-feira, 23 de julho de 2019

O parque oriental da cidade do Porto

Ontem fui caminhar com uma amiga no parque oriental da cidade e gostei muito daquele espaço verde.
Está ainda em construção, mas ainda bem que foi repensado para ser percorrido e desfrutado pelas pessoas. 
O piso é bom para caminhar ou correr, há muitas árvores, muitas sombras e muitas pedras que, para além de embelezar o local, funcionam como bancos ou mesas.
Mostro apenas uma pequena parte, porque há zonas mais largas onde, possivelmente, haverá relvado. Estava lá a ser montada uma estrutura metálica enorme porque no próximo sábado vai haver um espetáculo de música eletrónica.
Como quase nada é perfeito, sente-se de vez em quando o cheiro da ETAR e do rio Torto que por lá circula ainda com alguma poluição, embora noutras partes do percurso se sinta o perfume das árvores. 
Também não vi  zonas específicas para crianças, mas, como disse, está ainda em construção. E a Roma ou a Pavia não se vai num dia!!!
O que é preciso é pôr mãos à obra e esta parece ser uma boa obra!

terça-feira, 16 de julho de 2019

Tantas cores, Natureza!


Há belas músicas que se conhecem por feliz acaso

Pequenas histórias de uma ida a Londres

história 1
Na ida, coube-me o lugar junto à janela do avião. Ao meu lado, iam duas mulheres que viajavam em trabalho que era comum. Não se conheciam. Começaram a falar e a conversa durou as duas horas de viagem. Uma era mais faladora do que a outra. Repetiu várias vezes que gostava de falar. E falou longamente. E contou amores e desamores, partidas e regressos, gostos e desgostos...
Eu ia olhando pela janela do avião, fechava os olhos de vez em quando, mas, mesmo que não quisesse, ia ouvindo as histórias de vida que estavam a ser contadas.
No final, trocaram contactos, depois de toda uma vida ter voado enquanto durou o voo até Londres.

história 2
Quando estou em Londres, vou muitas vezes ao Waitrose local fazer as compras do dia. Há uma senhora na caixa que fala com os clientes, enquanto faz os seus registos. Ele é o tempo, ele é qualquer fait-divers do dia... Ah, e também sorri bastante. Já tem uma certa idade e as palavras são ágeis como as mãos que, ao longo do dia,  põem centenas e centenas de embalagens, com outros tantos sorrisos, do lado da recolha pelos clientes.
Interrogo-me sempre se continua a sorrir depois de um dia de trabalho.

história 3
Fui com a família ao Museu dos Transportes, que abre ao público apenas algumas vezes no ano. Aceitei a ideia de bom grado, embora tivesse pensado, para os meus botões, que teria um interesse relativo, porque estou mais habituada a ir aos museus de arte.
Enganei-me. Passámos lá várias e boas horas. Havia comboios e autocarros desde os primórdios dos transportes públicos e muitas atividades para as crianças que os adultos acompanhavam com agrado.
De facto, a evolução dos transportes públicos com vista à qualidade de vida das pessoas é também uma importante forma de arte. 

história 4
Quando chegámos ao Museu dos Transportes de manhã, logo parámos numa atividade. Um homem e uma mulher estavam sentados em frente a uma mesa e, com a ajuda de cada criança, era mostrado o movimento elétrico do comboio. A nós coube ser a senhora a fazer a demonstração, sempre com a colaboração da criança.
À tarde, voltámos a passar nesse lugar.  A Clarinha quis participar de novo. Enquanto esperávamos pela nossa vez, assisti aos mesmos movimentos da senhora para que as crianças compreendessem o funcionamento do comboio na sua linha. A atitude positiva e interativa com as crianças era a mesma da manhã. Embora tivesse repetido inúmeras vezes a operação, parecia ser sempre a primeira vez a fazê-lo.

história 5
Na viagem de regresso, encetei diálogo com a senhora que vinha ao meu lado no avião. Vivia em Londres há dezenas de anos. Nas traseiras da casa, tinha uma pequenina horta e algumas flores. Na horta tinha dois pés de couve galega para fazer caldo verde de vez em quando e um arroz de feijão com couve a fugir do prato. Disse-o com algum regalo no sorriso.