quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Maria Clara Miguel apresenta Diarinhando

























Será um bom momento da tarde do próximo sábado ouvir o apresentador do livro, Dr. Manuel Maria, e a autora, Maria Clara Miguel, pseudónimo de Isaura Afonseca, falar sobre Diarinhando, obra que apetecerá folhear e ler, a partir da bonita entrada que é a capa.
São conhecidos o domínio da escrita e a empática vivacidade da autora. 
Fica(m) o(s) convite(s). Será feliz e enriquecedor o encontro.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

De pequenino se aprende a amar a arte!


Felizmente há tantas coisas boas para celebrar!

Obrigada, A.P., pela divulgação do cartaz
de uma atividade que,  como tantas outras, vocês tão bem dinamizam na 'nossa' escola.

 

domingo, 18 de novembro de 2018

Hoje lembrei-me do mar - por mais de 3m

Há tempos, numa oficina de escrita, 
o formador sugeriu uma lista de cinco palavras.
As que logo me surgiram foram:
abertura
despojamento
tudo
nada
concentração

Atividade seguinte: 
escolha de uma palavra e escrita de um texto por ela sugerido.
Em 3m.
Escolhi "concentração".
Tempo e texto concluídos, 
o título teria de ser o antónimo da palavra selecionada.

Foi este o pequeno texto que me surgiu.

Dispersão

Olho o mar como há muito não fazia. Ele exige-me concentração. Por isso, o amo. Nada o substitui porque nele está tudo. Pelo menos, agora que olho a sua vastidão quando pretendo o despojamento.
Amo-te, mar, porque és a abertura para muitos outros mares.

sábado, 17 de novembro de 2018

Coisas importantes sem importância nenhuma

Gosto de começar o dia com o cheiro do café a ser deitado na caneca onde o café com leite me sabe melhor ao pequeno almoço.
Às vezes, penso que aquele momento tão simples é fundamental para o dia que começa. Como aconteceu hoje. Tal como ontem. Tal como espero que aconteça amanhã. E depois. E depois...
A vida vai-nos ensinando que as coisas simples e pequenas são cada vez mais importantes. Nem que pareçam não ter importância nenhuma.





segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Cor(es) de outono em Londres


Retratos com histórias


Final da manhã de domingo. Na National Gallery, em Londres, uma atividade para crianças, acompanhadas pelos familiares. Numa sala "normal" do museu e num ambiente informal.
Bastaram cartolinas, lápis de cor, fios de lã, bocadinhos de papel colorido e pouco mais.
Ah, e muita simpatia e disponibilidade das monitoras.
Trabalho, aparentemente tão simples, que ensina tantas coisas às crianças e aos adultos: aprender a ver, a estar, a sentir, a fazer, a valorizar, a respeitar, a apreciar...
E é um serviço gratuito.



Pouco depois, outra atividade simples e maravilhosa: uma história contada a partir de um quadro de uma sala da Galeria. Durante uns trinta minutos, a contadora de histórias "agarrou" a atenção dos meninos presentes e dos seus acompanhantes. 
Contou uma história a partir de um quadro (todos os domingos há quadros diferentes). Levou materiais mostrados na obra da arte, que ia tirando de uma caixa enquanto a história se desenrolava. Os meninos puderam tocá-los e até experimentá-los: tecidos de várias cores, um capacete, um escudo de proteção, uma grinalda...
O domingo estava ganho. E houve de certeza crianças e adultos com mais sorrisos e com vontade de voltar ao museu. Ouvi até uma menina que continuava, para si, a contar a história que a tinha fascinado.
Outro serviço também gratuito.



Comemorar com papoila ao peito

 Este fim de semana, e não só, com certeza, chamava a atenção o uso de uma papoila vermelha na lapela por muitos homens e mulheres. 
Havia-as de muitos materiais: cartolina, crochet, tecido...
Vi, depois, que várias instituições produzem-nas e vendem-nas para, assim, ajudar 
famílias de vítimas da I Guerra, cujo final é celebrado em diferentes países.

Hoje,  no Expresso Curto, é explicada a origem do uso das papoilas:

"Desde 1921 que se usam papoilas de cartão ao peito para honrar os caídos da guerra. A delicada flor vermelha foi escolhida por ser, pese embora a sua aparência frágil, a primeira a reflorescer depois de um campo ser arrasado pela guerra. Foi a professora americana Moina Michael quem promoveu a utilização das papoilas, vendidas para angariar fundos para os veteranos de guerra, inspirando-se no poema “Nos campos da Flandres”, escrito pelo tenente-coronel e médico canadiano John McRae, em 1915, em memória de um amigo morto na batalha de Ypres. Vale a pena reproduzi-lo na íntegra, em tradução livre do signatário destas linhas.

Nos campos da Flandres as papoilas florescem
Entre as cruzes, fila por fila,
Que marcam o nosso lugar; e no céu
As cotovias ainda cantam, bravas, voam
E mal se ouvem por entre os canhões lá em baixo.

Somos os Mortos. Há poucos dias
Vivíamos, sentíamos a madrugada, víamos o brilho do sol poente,
Amávamos e éramos amados, e agora jazemos
Nos campos da Flandres.

Prossigam o nosso combate com o inimigo:
A vós lançamos, de mãos que esmorecem,
A tocha; que seja vossa e que a ergais alto
Se trairdes a fé dos que morremos
Não dormiremos, ainda que as papoilas cresçam
Nos campos da Flandres."

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Tina Vallès - Vale mesmo a pena ler


Trata-se de um romance. Está dividido em 11 partes e cada uma delas é construída com onze textos, quase todos curtos. Todas as divisões e subdivisões têm um título.

Na capa, pode ler-se: "A história mágica e terna de uma criança que ajuda o avô a lutar contra a perda de memória".

Num registo verosímil, humano e poético, um menino de uns dez anos vai vivendo, juntamente com os pais e a avó, a regressão nos comportamentos do avô que revelam a progressiva perda de memória. A criança vai contando o que sente e observa. É como se as árvores, a que ambos estão tão ligados, fossem caindo devagar e sem remédio.

Apesar de alguma nostalgia, é um livro belíssimo e de leitura bastante breve. 
Vale a pena ler - comprando ou pedindo emprestado.  
Faz bem às boas memórias.