quinta-feira, 21 de junho de 2018

Desintegração

Foto: Jornal El Dia

"Nos Estados Unidos, foram usadas jaulas para crianças, que personalidades como Laura Ingraham, putativa secretária de Imprensa, desvendaram com gentilezas como esta: “no fundo, são campos de férias”.

"“Mais de dois terços dos norte-americanos têm vergonha do que está a passar-se na fronteira sul com o México, onde cerca de duas mil crianças foram separadas dos pais, todos eles imigrantes ilegais, enquanto as autoridades processam as suas entradas”, conta o correspondente do Expresso nos Estados Unidos. “As imagens dos menores a dormir no chão em celas que mais se assemelham a jaulas foi a gota de água que fez transbordar um copo que se encheu aos poucos, fruto do paulatino endurecimento das políticas de integração.”"


in Expresso Curto de hoje

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Pessoa popular?

"O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.


Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...


Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!


Mas quem sente muito cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!"


Fernando Pessoa
(Lisboa, 13 de junho de 1888 - Lisboa, 30 de novembro de 1935)

Rosas (im)perfeitas



terça-feira, 12 de junho de 2018

Jardim com chá e bolo


Imagem da net

Um dia, ao passar a pé numa rua em Hampstead, muito perto do centro de Londres, vi o portão de uma casa aberto, dando para um bonito jardim, e aproximei-me de umas flores que me chamaram a atenção.
E a família, é claro, também me chamou logo a atenção.
De facto, é belíssima aquela zona residencial (com casas de preços incomportáveis para o comum dos mortais), coroada pelo imenso e verde parque de Hampstead Heath.
O recente filme "Hampstead", com Diane keaton, mostra-o bastante bem.
Vem isto a propósito de ter sabido que, no último domingo, muitos jardins de moradias em Hampstead estiveram abertos ao público e, para além das belezas partilhadas, os moradores ofereciam chá e bolo aos visitantes.
Imagino o prazer de tantas famílias e de tantas crianças (o problema da natalidade não parece existir por lá, felizmente) que, sobretudo ao fim de semana, desfrutam daqueles amplos e floridos espaços.
Afinal, não foi assim tão grande o meu atrevimento de ter passado o portão de um jardim para olhar algumas flores de mais perto!!!
Só que, reconheço, não era o momento certo! Até a beleza tem dias!

segunda-feira, 11 de junho de 2018

A minha mesa da cozinha

Depois de tomar o pequeno almoço, gosto de ficar à mesa o tempo que me é possível.
Vejo as notícias, abro o computador, abrindo-se um dos melhores momentos do meu dia.
Na minha mesa da cozinha, há quase sempre alguns livros bem perto do computador. E também a máquina do café e o cesto da fruta.
Muitas vezes, dou comigo a pensar que a harmonia de muitos dos meus dias assenta neste quase ritual do início das manhãs.
Vejo o blogue, as estatísticas (obrigada, queridos leitores portugueses, italianos, americanos, brasileiros, franceses, alemães, belgas, russos...), os comentários (poucos, mas sei que o tempo não dá para tudo e há prioridades) e, quando tenho alguma ideia que me parece pertinente, partilho-a, como se fosse um bolo, ainda que simples, com os sabores que pomos no que gostamos.
Quando me perguntam se tenho facebook e digo que não, vejo alguma expressão de espanto porque, atualmente, quase toda a gente utiliza essa rede social.
Mas o blogue não dispenso e quero continuar a alimentá-lo a esta mesa e em muitas outras, quando não estou em casa.
De facto, acho cada vez mais que, como ter uma mesa na cozinha, também é necessário comunicar, recorrendo a tantas e tão boas formas de o fazer.
No dia do lançamento do meu pequeno livro - A velha casa e outros dias, da Editora Lugar da Palavra - tive o gosto de rever pessoas amigas que visitam o Olámariana. O prazer de as ver foi redobrado.
Sim, também viajo e abraço a partir da minha mesa de cozinha, enquanto escrevo ou procuro a imagem que me parece ilustrar bem a mensagem escolhida.
Ah! Mas, como poderão imaginar, a minha mesa da cozinha poucas vezes está arrumada!