quarta-feira, 14 de abril de 2021

Uma bicicleta no espaço

        Ontem em Sevilha: FCP- Chelsea. A 'bicicleta' do golo foi de Maremi (FCP).



segunda-feira, 12 de abril de 2021

Diz-me, consolo meu, ...

 


 

Desde que tive covid 19, já lá vai mais de um ano, o meu olfato não voltou a ser o que era. Apesar disso, a primavera está a oferecer tal profusão de flores que tenho o prazer de lhes sentir algum perfume. Bastaria olhá-las para algum consolo, mas, assim, o consolo é maior.

 

domingo, 11 de abril de 2021

'Fala com ela' - Não, não é o filme, mas também é muito bom.

 

Descobri-o há pouco tempo, mas, na minha opinião, vale mesmo a pena ouvir ao sábado, às 13 h, na RDP, antena 1, o programa 'fala com ela', de Inês Maria de Menezes. Os episódios estão também disponíveis em 

https://falacomela.podbean.com/

Todas as semanas há um entrevistado das mais diferentes áreas. Ontem, foi entrevistada Luisa Sobral, cantora e compositora. Há poucas semanas, foi a vez de Isabel do Carmo, médica endocrinologista. Para além de muitas coisas de interesse, registei a vantagem de não ter doces em casa, o que pensa sobre o jejum intermitente de que agora se fala bastante, etc, porque ando com vontade de emagrecer um bocadito.

Gostei imenso de a ouvir falar do trabalho dela, da vida dela, do mundo em que todos vivemos, etc. E fiquei surpreendida ao saber que tem 80 anos.

A última pergunta que a entrevistadora faz aos seus entrevistados é: 'Para si, o que é um dia bom'? Se bem me lembro, a resposta de Isabel do Carmo foi: um dia com sol, poder trabalhar, poder ler'.

 

Um domingo bom para todos! Vivido cada um à sua maneira, é claro, embora os cuidados tenham de ser comuns.

 

 

sexta-feira, 9 de abril de 2021

O livro, o guarda-chuva e e o chocolate

 

Confesso que hoje não tinha assunto. Há dias que até tenho de os filtrar, porque são como as cerejas, outros nem cerejas há. Pois bem, como se prevê trovoada e desde pequena faz-me medo, lembrei-me de um texto que escrevi sobre o meu avô, que sabia tranquilizar quando havia relâmpagos e trovões. Não o encontrei, mas vi este que dediquei, há bastante tempo, a uma colega e amiga (Dulce Helena) que andava sempre com um livro na carteira. Hoje também será preciso guarda-chuva e um bocadinho de chocolate sabe sempre bem.

 

Durante duas semanas, quase não vi a luz do dia, apenas a espreitava quando  a Helena abria a carteira.

Ela anda sempre com um livro e, desta vez, coube-me a mim acompanhá-la. Só que entrei na vida dela em má altura. Quero dizer: quando entrei na sua carteira. Como passo a vida às escuras, fechado, sem quase nada para dar nem receber, oiço conversas de Helena.

- Ando a ler um livro de José Rodrigues Miguéis. Tem um conto fabuloso.

E, precisamente no momento em que ia mostrar o livro, a campainha tocou e Helena foi para a aula, porque é professora e não gosta de se atrasar. Nem que seja por uma boa causa, como é falar de um livro. E, neste caso, um bom livro. Pareço vaidoso, mas estou só a elogiar quem me pensou, quem me escreveu, quem me deu vida, podendo, assim, embelezar a vida dos outros.

O tempo em que tenho mais luz é quando Helena está a dar as aulas. Ela chega à sala, pousa a carteira e deixa-a ficar aberta. Como a mesa é junto à janela, eu olho para cima e vejo as nuvens, a palmeira do jardim, as árvores com flores… Uma vez até vi um arco-íris, numa aula em que os alunos estavam a fazer teste e mal se ouviam.

Uns dias depois, ouvi Helena dizer:

- Com tantos testes para corrigir nem há tempo para ler.

E eu logo pensei: pronto, já sei, mais uns dias nesta escuridão. É como se viajasse no porão de um avião, no meio de malas e outras mercadorias, sem ver os passageiros. O que vejo à minha volta é uma agenda, uma fatura da água, um chocolate que já vai a meio, um porta-moedas…

Um dia, a Helena entrou na Escola à pressa, porque já tinha tocado para dentro, e pôs o guarda-chuva molhado dentro da carteira, indo encostar-se mesmo ao meu rosto, isto é, à minha capa. Enregelei, senti alguma raiva e apetecia-me gritar:

- Helena, atiras o guarda-chuva para dentro da carteira e esqueces de quem está aqui! Eu podia dizer “do que” está aqui, mas acho que posso dizer “quem”, porque sinto-me humano, falo da vida mais profunda das pessoas, ajudo-as a pensar, a sentirem-se valorizadas… Mas a minha voz não se ouve do mesmo modo.. Eu falo em silêncio e só para quem me lê ou escuta através da voz de alguém.

Nesse dia de inverno, mas de muito calor na sala de aula, Helena pousou a carteira, sem a abrir. O guarda-chuva humedecia o meu corpo, isto é, as minhas páginas e o chocolate, que já estava a meio, começou a derreter e sujou-me todo.

A aula parecia interminável. Eu queria que a Helena me tirasse daquele mundo de cheiros húmidos e viscosos. Ouvia perguntas, respostas, a Helena a recordar que se diz “folhear” e não “desfolhar” um livro. E eu a pensar: estou feito, vou ser desfolhado sem haver tempo para ser de novo folheado!

Nisto, tocou para fora. Que alívio, pensei, Helena iria libertar-me? Porém, permaneci fechado até à noite. Quando ela me viu naquele estado, parecia, docemente, pedir-me desculpa. Se eu pudesse falar, diria:

- Não te preocupes, Helena, eu sei que, apesar de tudo, como livro que sou, para ti sou melhor do que chocolate.

 

terça-feira, 6 de abril de 2021

Os Filhos da Madrugada na RTP 3

 

Eu ainda não tinha visto, mas uma amiga chamou-me a atenção para esta série com entrevistas de Anabela Mota Ribeiro. O programa passa todos os dias pelas dez da noite, na RTP 3, até ao próximo dia 25 de abril. Os entrevistados - pelo menos até agora assim aconteceu e o título também o revela - nasceram depois do 25 de Abril. São pessoas jovens que se tornaram conhecidas nos mais diferentes ramos de atividade. Vale a pena ver. Para além das suas vidas, dão também testemunho da época em que viveram, vivem, e da dos seus progenitores.

Gostei imenso, por exemplo, da entrevista a Tiago Rodrigues, diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II. Fala de tantas dimensões da vida: teatro, literatura, gastronomia, afetos, família... É muito bonita a história de uma avó que queria saber um livro de cor.

Deixo aqui o link:
https://www.rtp.pt/play/p8721/e534944/os-filhos-da-madrugada





Também fui e já vi gente na praia

 

Ontem, dia de reabertura das esplanadas, sentei-me à beira-rio com duas amigas para tomar um café e falar de mil e uma coisas das nossas vidas. Só havia uma mesa livre e quase toda ao sol. A mesa só tinha duas cadeiras e nós éramos três. Vi uma cadeira vazia numa mesa vizinha. Perguntei se podia pegar. Está ocupada - disse alguém, sem muita convicção. Acho que não estava e o alguém queria a cadeira para pôr os pés. Ali ao fundo, há muitas cadeiras - apontou o mesmo alguém. Eu disse um obrigada pequenino. Logo outras pessoas nos ofereceram uma cadeira. Dissemos um obrigada grande.

Gosto muito de sol, mas não gosto muito de estar ao sol quente. Como são minhas amigas e não se importam com o sol, deram-me a sombra. Fomos ficando - porque a conversa é como as cerejas -  e, daí a pouco, o guarda-sol já nos guardava a todas do sol.

O início da tarde ia iluminando e aquecendo. Placidamente, entraram dois polícias. Andavam, por certo, a controlar o número de pessoas por mesa. E placidamente saíram, sem paragem nem registo.

À nossa frente, o rio também corria plácido. A não ser quando motas de água faziam piruetas de encher os ouvidos muito mais do que os olhos. Do outro lado, Gaia e, no areal bem perto, pessoas dispersas a trabalhar para o bronze. Quem estava na esplanada, quem passava em caminhada apressada ou lenta, quem se sentava relaxadamente nos muros... todos pareciam desconfinar a tarde como se  fosse mesmo a primeira do resto das suas vidas.

Depois de bastante tempo de conversa: está na hora. Vamos? E se combinássemos novo café? Boa ideia. Isto faz bem à vista e ainda melhor à alma.





segunda-feira, 5 de abril de 2021

sexta-feira, 2 de abril de 2021

Um ovo, o nascimento, outro ovo, o som das gaivotas e Feliz Páscoa!

 

Nasci há poucos dias. Sim, nasci na madrugada do dia 29 de março de 2021. Enquanto crescia na barriga da minha mãe, perguntavam-lhe se estava tudo a correr bem e faziam-me festas. Eu gostava imenso do calor da mão que era macio e bom. Cheguei a ouvir a minha bisavó a dizer: 'De mansinho, para não magoar'. A minha mãe ria-se e a mão dela continuava a passear com carinho pelo ovo redondo onde me encontrava. Nas visitas ao médico, eu ia sabendo coisas sobre mim: 'Tem cabelo grande, lá está a pilinha, olhem as mãozinhas'... Uma vez, a minha avó perguntou à minha mãe depois da ecografia: 'Filha, viste os dedinhos todos?' A essa hora, o meu pai já tinha mandado as minhas imagens em três dimensões para a família. Eu devia parecer um fantasminha dentro de um frasco, mas a família dizia: 'Que giro!' e todos encontravam parecenças com a minha mãe e com o meu pai. Quando nasci e pude abrir os olhos, via tudo branco e a respirar à minha volta. Parecia que tinha saído de um ovo de sombra para outro muito maior, com muitas dimensões e cheio de luz.

No berço, com a minha mãe deitada na cama ao meu lado, sentia-lhe o olhar à espera do meu sorriso e se eu respirava e se eu estava tranquilo... O meu pai também me olhava com muita ternura e trata de mim com tanto jeito que a enfermeira pensou que já estivesse habituado. Depois de me mudar a fralda, pega em mim com as mãos grandes e sinto-me muito seguro. Quando tenho fome, desato a chorar, a minha mãe faz tudo para eu mamar, mas vejo que tem muita pena porque ainda se desprende pouco leite. Depois de muito esforço e de muitas posições, dão-me biberão, mas gosto mais do leite da minha mãe, embora não tenha muita paciência para esperar que corra. Do biberão, corre melhor e fico tão satisfeito que adormeço logo.

Como eu tinha sido muito desejado pelos meus pais e pela família, julgava que ia receber visitas quando nascesse, mas não e as pessoas que vêm em trabalho usam máscara,  tal como os meus pais, afastam-se umas das outras, lavam e desinfetam as mãos muitas vezes e dizem: 'Temos de ter cuidado'. Também já tinha ouvido isso enquanto estava na barriga da minha mãe, sem  compreender o que se passava. Como estávamos só os três no hospital, os meus pais olhavam para mim com todo o tempo do mundo, pegavam-me na mão devagarinho, diziam baixinho e com doçura: 'Então, então'... para me consolarem quando eu chorava e tiravam-me fotos que enviavam com mensagens. E também recebiam muitas. Algumas eram lidas em voz alta. Numa delas, a minha tia dizia para a minha mãe tirar a máscara de vez em quando para eu ver os rostos completos e começar a reconhecê-los. Não sei se foi por isso, mas abri os olhos e vi que os meus pais eram muito bonitos, sorriam, estavam sempre a olhar para mim, e diziam: 'É tão bonito e perfeitinho'. Uma bênção! Fiquei muito contente de ouvir isso e ainda mais de os ver e de começar a conhecer o ovo grande que é o mundo. Ah, a minha tia também disse para a minha mãe me pôr sobre o peito dela, só com a fraldinha e pele com pele. Foi tão bom e confortável. Eu acho que a família e os amigos me querem ver. Só  me conhecem por fotografias e sei que dizem: 'Que lindo. Parece sossegadinho. Olha que lourinho'. Até ouvi que o meu cabelo era loiro acobreado. E também: 'É todo pai, a boquinha é da mãe'... Eu compreendo as reações porque só agora saí do ovo. Deve ser por isso que a minha prima, que tem cinco anos e vive longe, olha para as fotos, sorri e parece dizer: 'Cresce, que assim não posso brincar contigo!'

Já chegámos a casa e acho que vi uma gaivota no rio. Só as conhecia pela voz enquanto crescia na barriga da minha mãe. 

A minha avó já me visitou e dizia muita encantada: 'Que riqueza! Que maravilha'. Ouvi-a falar com a minha mãe sobre a Páscoa - que cada um vai passar em sua casa - e diziam que eu era o melhor que podia acontecer para a celebrar. E fiquei mais uma vez muito feliz por ter nascido.

A minha vida é ainda muito curtinha, mas  gostava de desejar a todos muito boa Páscoa! 

E a minha avó também!